Como escolher um MarketPlace?

 Como escolher um MarketPlace?

 

Segundo a Neutotrust, empresa que faz o levantamento do e-commerce brasileiro, o Brasil faturou mais de 161 bilhões de reais em vendas online em 2021. E a expectativa é que este valor aumente ainda mais em 2022, principalmente com os MarketPlaces.

Isso porque as pessoas estão comprando mais pela internet. E a pandemia de COVID-19 só impulsionou esse novo comportamento.

O que é um MarketPlace?

Pense em um centro comercial cheio de opções para escolher a que melhor te atrai,como o centro de São Paulo, por exemplo. Há várias ruas segmentadas com lojas para públicos específicos.

No bairro do Brás, o foco maior está em roupas e tecidos. Já na Santa Efigênia há mais lojas de eletrônicos e instrumentos. Mas todas as lojas estão perto, todas em um só lugar. 

Ou então, pense em um Shopping Center. Há lojas de sapatos, roupas ou artigos de papelaria em um único estabelecimento. Há até uma praça de alimentação onde todos os negócios alimentícios estão concentrados. 

Foto: Freepik

Dentro do celular ou computador

Agora pense tudo isso em um único site. Isso é o marketplace. Ele surgiu no Brasil em 2012, e é uma espécie de shopping center digital. 

É cada vez mais usado pelos consumidores por ser bastante vantajoso. Nele, é possível encontrar uma série de produtos em um só lugar, o que facilita na hora de comparar os preços. 

Diversas marcas famosas já participam desse modelo, como Americanas, Amazon, OLX, Walmart e Shoptime, por exemplo. 

Como funciona?

É bem simples, na verdade. Os pequenos empreendedores fazem o cadastro, colocam os seus produtos dentro das plataformas de MarketPlace, catalogam e vendem.

Contudo, como em um shopping em que se aluga um espaço, no online parte das vendas também fica com o dono da plataforma, que gerencia tanto as lojas quanto o fluxo dos clientes. 

Contudo, listamos algumas vantagens:

Maior visibilidade

Uma das vantagens de plataformas de vendas, é que o produto terá uma visibilidade maior do que teria em seu próprio site, o que ajuda a economizar investimentos em divulgação.  

No MarketPlace, quanto maior é a visibilidade dos produtos, mais clientes se converte. 

Confiabilidade

Já entrou em um site, mas ficou com dúvidas em comprar por nunca ter ouvido falar dele? Isso acontece porque as pessoas têm receio em perder o seu dinheiro, mas confiam quando a marca é maior.

Como por exemplo, o Mercado Livre. Ele é um dos maiores MarketPlaces operando no Brasil e acessado por milhares de pessoas todos os dias. 

Quando uma marca desconhecida vende os seus produtos por lá, as chances do cliente comprar são maiores, comparada ao próprio site da marca.

Foto: Freepik

Como funciona a comissão do MarketPlace?

Um site deMarketPlace também é um negócio que busca lucros. Por isso, ele geralmente pede uma comissão para cada produto vendido dentro da plataforma. 

As taxas podem variar de acordo com o acordo feito com o site. Planos “premium”, por exemplo, costumam ser mais caros, mas englobam privilégios. 

 Contudo, a maioria dos sites cobram uma taxa entre 10% a 20%. Valor que não costuma variar entre produtos novos ou usados. 

Variações

Esta porcentagem também pode variar de acordo com o item. Ainda se baseando no Mercado Livre, se o produto é um relógio, por exemplo, a comissão do site é maior que a venda de computadores, por exemplo. 

Já a Shopee possui um valor fixo de 12% sobre o valor do produto. Mas também há a opção para acrescentar frete grátis, o que acrescenta mais 6% no preço da mercadoria, totalizando 18%.

Já a Amazon, possui uma mensalidade, que varia de acordo com a quantidade de itens que a pessoa deseja vender. Se é mais de 10 produtos, o valor pago mês a mês é de R$19,00. Mas se a pessoa pretende vender menos, é cobrado uma taxa de R$2,00 por produto.

Como vender?

É importante ressaltar que algumas plataformas pedem apenas para fazer um cadastro, já outras, exigem o CNPJ da empresa ou do Microempreendedor Individual (MEI). 

Mas outras documentações também podem ser exigidas, como:

  • Inscrição Estadual;
  • Alvará de funcionamento (do estabelecimento que irá disponibilizar os produtos);
  • Certidões Negativas de Débitos Trabalhistas, Previdenciários, Tributários e afins;
  • Consulta pública ao ICMS e afins. 

Cadastro dos produtos

Contudo, ao contrário do que muitos pensam, não é necessário ter uma loja virtual para fazer parte de MarketPlaces. 

Após a autorização do cadastro, você já está apto a cadastrar produtos, com imagem, descrição, peso, medidas e claro, o preço

Como escolher um MarketPlace?

Antes de tudo, é importante destacar que estes espaços de vendas também têm um custo para expor os seus produtos (ou serviços). Portanto, o ideal não é oferecer em diversos canais de vendas, mas escolher o que mais se encaixa com o perfil do seu negócio. 

Não que isso seja uma regra, mas é necessário priorizar o canal que há mais pessoas com o perfil de compra parecido com a sua loja, e que te traga mais benefícios. 

Se o seu foco são esportes, por exemplo, o ideal é buscar um MarketPlace que mais as pessoas busquem por artigos esportivos. 

O melhor plano para você

Como já falamos aqui, as plataformas possuem métodos diferentes de comissão. Por isso, avalie o que você vende e o fluxo das suas vendas para entender qual o plano mais vantajoso para as suas vendas.

Por que a + ETC é o MarketPlace mais adequado?

Como dissemos , há uma variedade de sites que fazem o mesmo trabalho, mas é importante escolher um que se adeque às suas necessidades.

A + ETC nasceu com o propósito de auxiliar o microempreendedor nessa jornada no mundo dos negócios. Sabemos que empreende no Brasil não é fácil, principalmente quando temos que concorrer com o universo da internet.

Por isso, além de proporcionar as melhores condições para as suas vendas, a +ETC busca te auxiliar em toda essa jornada, sendo mais que um MarketPlace, mas impulsionando a sua marca.

 Bônus: 6 Dicas para manter a sua loja em um MarketPlace

Colocar um negócio em uma plataforma de vendas, é aumentar e muito a visibilidade dos seus produtos, o que consequentemente  aumenta as vendas. Por isso, é preciso ficar atento em alguns pontos, como:

  1. Como está a sua logística?

Às vezes podemos focar demais no marketing e no aumento das vendas, mas esquecemos que precisamos entregar os produtos (ou serviços). 

Por isso, como estão os seus estoques? Você possui mercadoria suficiente que está anunciando? Não conte com o ovo dentro da galinha, fornecedores também são falhos e podem te deixar na mão.

É importante também manter o controle do seu estoque, para não se atrapalhar lá na frente. Na dúvida, use uma planilha, para saber o que saiu e o que entrou.

Isso te ajudará a entender o que está vendendo mais.

  1. Meios de entrega

Apesar da vantagem de não ter custos com um espaço físico, há outros gastos, como o frete. 

Por isso, vender na internet também significa entender qual o melhor meio de logística que tenha um custo-benefício para você e para o seu cliente. 

  1. Atendimento ao cliente

Não é porque você está em uma plataforma, que não deve se importar com o atendimento ao cliente. 

É preciso se preparar caso alguém tenha alguma dúvida ou problema, para que nem ela e nem você tenha dor de cabeça.

  1. Política de devolução

É importante também possuir uma política de devolução consolidada.

De acordo com o artigo 18 e 26  do Código de Defesa do Consumidor (CDC), o comércio é obrigado a aceitar devoluções feitas a partir de compras feitas pela internet, uma vez que o produto apresente vícios ou problemas.

Produtos reais divergentes da propaganda, também podem ser devolvidos ou trocados, sem nenhum custo a mais para o cliente.

De acordo com o CDC, o consumidor também pode se arrepender da compra, e devolver em um prazo de sete dias. 

  1. Como estão os concorrentes?

Outra coisa importante é entender como estão os seus concorrentes. Isso te ajudará a perceber algo que de dentro, você não consiga ver, ou entender quais são os pontos positivos e negativos do segmento. 

  1. Outros canais de vendas

A venda dos seus produtos não precisa estar limitada a espaços de MarketPlace. Se não puder manter um site, há a possibilidade de divulgar a sua loja nas redes sociais, por exemplo.

Isso pode ser feito tanto através de páginas e perfis, quanto através de grupos segmentados. 

E vamos combinar, qual é a loja hoje em dia que não tem um perfil comercial nas redes sociais?

Compartilhe esse conteúdo

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
E-mail

Conteúdo relacionado